Skip to Content

Tuesday, August 20th, 2019

Timor-Leste diversifica exportações com aposta

Closed
by September 29, 2016 General

Timor-Leste está a apostar na diversificação do seu mercado doméstico e de exportação e vários produtos começam a surgir, ao lado do tradicional café, com potencial de desenvolvimento, disse à Lusa o ministro timorense do Comércio.

“Começámos a exportar o sal marinho timorense para Singapura e vamos arrancar com a exportação de óleo virgem de coco e estamos a apostar no desenvolvimento do setor têxtil”, disse Constâncio Pinto, ministro do Comércio, Indústria e Ambiente.

“Estamos a estudar outros potenciais produtos que possam ser exportados mas que ajudem também a desenvolver o mercado nacional”, explicou.

Falta de tecnologia, de ‘know-how’ e outros fatores, admitiu, continuam a condicionar uma maior produção do país, que quer diversificar a sua economia, reduzindo assim a dependência do petróleo e gás natural.

“Temos de formar mais e melhor os nossos jovens e reforçar a tecnologia”, disse.

Um dos exemplos de possível mercado de exportação é o “tais”, o tecido tradicional de Timor-Leste, que faz parte do vestuário e é elaborado artesanalmente por mulheres, em teares de madeira, a partir de fio de algodão, antes de ser tingido com corantes naturais e sintéticos.

“O tais continua a ser feito de forma manual, muito tradicional. Vamos manter isto mas para podermos responder à eventual procura adicional do mercado teremos de introduzir novas tecnologias”, disse.

Pela primeira vez uma delegação timorense participou na feira do têxtil Modestissimo – que decorreu entre 21 e 22 de setembro no Porto – onde apresentou a aposta renovada no tais através da marca Tima (Timor, Industria, Moda e Ambiente).

Constâncio Pinto destacou o interesse que o ‘stand’ timorense suscitou, com algumas primeiras encomendas, “um encorajamento para poder desenvolver mais e melhor esta produção” participando assim no desenvolvimento do mercado nacional.

“Queremos responder o melhor possível aos pedidos, venham eles de Portugal ou de outras partes do mundo”, referiu.

“O tais faz parte da nossa identidade. Promover a sua produção ajuda a dar a conhecer melhor Timor-Leste, a sua cultura e identidade”, sublinhou.

A importância do tais foi reconhecida recentemente com a assinatura de um Memorando de Entendimento com a empresa de desenvolvimento turístico Artca Indonesia para a formação de mulheres no fabrico deste tecido.

O objetivo do acordo é “reforçar a participação das mulheres timorenses na vida económica, nomeadamente as que acedem ao Fundo de Transferência Pública”.

O Memorando refere a diversificação dos Tais, “um setor produtivo importante para as mulheres que vivem nas áreas rurais” e menciona também “a reabilitação do setor do café e a formação das mulheres para aprenderem a negociar nesta área”.

A Artca Indonesia começou a dar formação às mulheres através do Ministério do Comércio, Indústria e Ambiente (MCIA), no sentido de tornar os “tais” mais atraentes para os turistas.

Previous
Next